As divergências entre os 11 ministros do STF

sábado, novembro 25, 2017




Já tem um tempo que o cabelo emplastrado e a barba grisalha conferem ao ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal - STF, um ar mais judicioso e prudente. No meio da tarde da última quinta-feira (23/11), Toffoli pousou o queixo numa caneta vermelha para ponderar, catedrático, sobre como "a sociedade, a imprensa, os meios de comunicação social e as chamadas redes sociais" reproduzem "o folclore e a falsa ideia" de que o Supremo é lento em julgar ações. Naquela perna do 'U' que forma o plenário do Supremo, o decano Celso de Mello, à esquerda de Toffoli, preocupava-se em organizar sua bancada, amassar e descartar um pedaço de papel. 

Gilmar Mendes estava ausente. Pela direita, Rosa Weber fitava hipnotizada a tela de seu computador. Edson Fachin assistia à palestra de Toffoli atentamente. Toffoli abre os braços, mãos espalmadas em indignação, e começa a fazer um balanço de sua produtividade. "Tomei posse aqui no dia 23 de outubro de 2009. Nesse período, passaram pelo meu gabinete 35 ações penais. Vinte e seis foram solucionadas. Apenas nove estão constando ainda do meu acervo. Sem citar o nome dos réus, vou mencionar uma por uma e em qual fase ela está" Toffoli checa a reação dos colegas. Não há nenhuma. O ministro esforçava-se para estender sua preleção. Por quase uma hora, interrompido algumas vezes por apartes de colegas, Toffoli tentou justificar por que faria o que todos sabiam que ele faria em seguida.

Voce pode ler também

0 comentários