“Não vamos rever nomeação de Cristiane Brasil”, reafirma Jovair Arantes

quarta-feira, janeiro 10, 2018

Foto:  Marcelo Camargo/ Agência Brasil

Jovair nega se apresentar como um nome possível para o ministério. "Sou líder da bancada, que é um dos melhores cargos que se possa ter", afirmou.


O líder do PTB Nacional, Jovair Arantes (GO), voltou a afirmar nesta quarta-feira (10/01), ao Estadão, que não há chances de a bancada rever a indicação da deputada Cristiane Brasil para o ministério do Trabalho. ''Não tem troca de nome até uma decisão no Supremo Tribunal Federal'', disse. Na terça-feira (09/01), o presidente Michel Temer recebeu em seu gabinete Jovair, Cristiane e o presidente do partido Roberto Jefferson – pai da ministra nomeada.

Segundo interlocutores do presidente, apesar do desgaste para o governo, Temer manteve o compromisso de que a pasta ficará com o PTB Nacional e afirmou que entraria com recurso na Suprema Corte para tentar garantir a posse de Cristiane. Apesar disso, ainda na manhã desta quarta, alguns auxiliares do presidente defendiam que o governo investisse em negociações com o partido já que levar o recurso ao STF pode gerar um desgaste entre Poderes e o risco de derrota para o governo seria alto.

Uma saída seria que Roberto Jefferson desistisse da indicação da filha, o que não ocorreu. Segundo um auxiliar do presidente, Temer não tem a intenção de recuar e deixará a decisão com o partido. Há especulações no Planalto sobre a possibilidade de Jovair se apresentar como um nome possível. O líder, no entanto, nega: ''Zero (possibilidade)'', disse. ''Eu não aceitaria, sou líder da bancada, que é um dos melhores cargos que se possa ter'', afirmou.

Jovair reiterou que a ''lei está sendo rasgada'' e disse acreditar que o governo vai levar adiante a o recurso e o nome de Cristiane. Na quarta, Temer acertou que recorreria ao Supremo Tribunal Federal - STF para nomear a deputada como ministra do Trabalho, depois que o Tribunal Regional Federal (TRF 2ª Região) manteve a suspensão da posse. Cristiane foi condenada a pagar R$ 60 mil por dívidas trabalhistas a um ex-motorista.


Fonte: Estadão Conteúdo

Voce pode ler também

0 comentários