Nova ministra do Trabalho foi condenada a pagar mais de R$ 60 mil em processo trabalhista

sexta-feira, janeiro 05, 2018

Foto: Lucio Bernardo Jr / Câmara dos Deputados

Motorista trabalhou para a deputada entre 2012 e 2014. A jornada do funcionário era de cerca de 15 horas por dia e ele não tinha carteira assinada


A deputada federal Cristiane Brasil (PTB/RJ), convidada a assumir o ministério do Trabalho na quarta-feira (03/01), foi condenada, em 2016, a pagar R$ 60,4 mil em dívidas trabalhista a motorista que prestava serviços à deputada e sua família entre 2012 e 2014. A decisão do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região (TRT-1) já foi confirmada em segunda instância no ano passado, restando à deputada recurso apenas quanto ao valor da indenização.

A deputada foi convidada a assumir o ministério na tarde de 03 de janeiro. Em entrevista coletiva, o ex-deputado Roberto Jefferson (PTB) chorou ao comentar a nomeação da filha, a deputada Cristiane Brasil (PTB/RJ), como nova ministra do Trabalho. Jefferson disse que se emocionou por orgulho e surpresa com a indicação da filha, feita, segundo ele, pelo próprio presidente da República Michel Temer, com quem se encontrou na quarta. "É a emoção que me dá. É um resgate", disse entre lágrimas. "Não foi indicação. Eu não indiquei. Surgiu", acrescentou.

A condenação foi revelada pelo portal G1. De acordo com a ação, o motorista Fernando Fernandes trabalhava cerca de 15 horas por dia e não tinha carteira assinada. Na versão da nova ministra, o motorista exercia trabalho eventual e nunca foi seu empregado. Parte dos R$ 60 mil já teria sido abatida com penhoras, restando liquidar R$ 52 mil.

Em depoimento durante o processo, Fernando disse que ganhava R$ 1 mil em dinheiro e mais R$ 3 mil depositados em conta para prestar serviços entre as 06:00 horas e 30 minutos e 22:00 horas, levando Cristiane, os filhos e empregadas da deputada em compromissos e às compras. Outro processo contra a nova ministra foi aberto em 2017, por outro motorista, mas não prosseguiu após as partes aceitarem uma conciliação. Ela se comprometeu a pagar ao reclamante R$ 14 mil em parcelas de mil reais e a assinar a carteira de trabalho.

Fonte: Congresso em Foco

Voce pode ler também

0 comentários