Temer não quer mais ser chamado de ‘trambiqueiro’

segunda-feira, janeiro 29, 2018



Rádio Bandeirantes FM 90.9 AM 840 de São Paulo recebeu o presidente da República, Michel Temer (MDB Nacional), na manhã desta segunda-feira (29/01). O mandatário analisou o cenário político das eleições deste ano e a presença ou ausência do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Ele disse que não permitirá mais que o chamem de "trambiqueiro ou que praticou falcatruas". "Vou me dedicar à recuperação dos meus aspectos morais. Meus detratores estão na cadeia". 

O peemedebista foi entrevistado com exclusividade pela Rádio Bandeirantes e entre vários assuntos, ele falou sobre o ex-presidente Lula. "Dizer que Lula 'está morto' politicamente, que a imagem, palavra, presença não estará presente [no cenário político]... morto ele não está", declarou. Para Temer, a ausência do ex-presidente "tensiona o país". "Temos que distencionar as relações. O Brasil vive um tensionamento permanente. É brasileiro contra brasileiro. Queria que Lula participasse da eleição para pacificar o país", afirmou.

Eleições 2018

Temer voltou a afirmar que não será candidato em 2018 e acrescentou que vai dedicar os próximos seis meses para recuperar seus aspectos morais. O presidente Temer se referiu às denúncias contra ele que vieram após a delação dos empresários da JBS. "Eu estou cumprindo muito bem o meu papel, já estou satisfeito com o que eu fiz. Eu quero alguém que defenda o meu legado. Até porque eu fui, de alguma maneira, desmoralizado por alguns embates de natureza moral, porque a minha luta não foi política, foi de natureza moral. Quem conhece minha vida, sabe o que eu tenho, sabe da absoluta inverdade nisso que se fez. Eu, nesses seis meses, vou me dedicar à recuperação dos meus aspectos morais. Não vou admitir mais que se diga impunimente que o presidente é trambiqueiro, que fez falcatruas. Não vou permitir. Meus detratores estão na cadeia e quem não está na cadeia está desmoralizado porque foi desmascarado por fatos concretos. Ninguém foi desmoralizado à toa".


Voce pode ler também

0 comentários