Pânico no planalto: Raquel Dodge poderá ouvir Cunha

quinta-feira, março 01, 2018



Não bastasse ter incluído o presidente da República Michel Temer nas investigações do esquema montado pela Odebrecht para saquear os cofres da Petrobras, a procuradora-geral da República, Raquel dodge, indicou que pode aceitar a delação de Eduardo Cunha, ex-presidente da Câmara dos Deputados que está preso em Curitiba. Depois de muito prometer e não entregar nada de relevante, Cunha, enfim, resolveu abrir o bico e detalhar o esquema do qual fez parte.

As denúncias envolvem gente graúda da República e desvios na Petrobras e na Caixa Econômica Federal. Há coisa pesada sendo entregue aos investigadores. Um dos envolvidos nas negociações com Cunha diz que as primeiras tentativas de delação dele foram muito fracas, decepcionantes. Por isso, nenhum acordo foi adiante.

Agora, o quadro mudou. Segredos da República estão sendo entregues com requintes de detalhes e provas. Resta saber até onde vai Cunha. Ele não se conforma de estar preso há tanto tempo, jogado aos leões sem ninguém para defendê-lo. Reclama ainda da falta de dinheiro. Boa parte das queixas, no entanto, é lorota.

Voce pode ler também

0 comentários