Sem mortadela, sindicatos estão em situação “caótica”

domingo, março 04, 2018



Com o fim do imposto sindical aprovado na reforma trabalhista, os sindicatos foram obrigados a reduzir o quadro de funcionários, além de cortar viagens e eventos, confirma o Estadão. "A situação está caótica. Tivemos queda de 70% na arrecadação", disse José Osório Naves, diretor executivo da Confederação Nacional do Turismo (CNTur), entidade que entrou com uma ação no STF contra o fim do mortadelão. "Estamos nos adequando para conseguir sobreviver. Não sabemos até quando".

Na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), uma das representações mais fortes do país, a queda na arrecadação ficou entre 13% e 14%, de modo que cerca de 20% do quadro de funcionários foi reduzido e alguns departamentos unificados.

Mas o discurso da Fiesp se distingue do padrão.

"Entendemos [em assembleia com 130 sindicatos filiados] que o fim [do imposto] seria mais coerente com a nossa bandeira de redução da carga tributária", disse ao jornal a diretora executiva jurídica Luciana Freire.

Ela ressaltou que, para as empresas continuarem contribuindo de forma opcional, os sindicatos terão de dar alguma contrapartida, como produtos e serviços.

É o mínimo, não é mesmo?

Voce pode ler também

0 comentários