Gilmar Mendes critica ‘canonização’ da Lava Jato

sábado, julho 07, 2018




O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, defendeu na última sexta-feira (06/07), em Londres, decisões em que revogou prisões ordenadas por juízes de primeira instância da Lava Jato e afirmou que houve um momento de "canonização" da operação no País, em que qualquer questionamento a ela era considerado "antirrepublicano". Gilmar disse ainda que a lei de abuso de autoridade é uma das coisas nas quais o Brasil precisa "pensar" para os próximos anos.

“Em um momento houve a canonização da Lava Jato. Então, qualquer decisão contra a ação do juiz federal Sérgio Moro era considerada antirrepublicana, antipatriótica ou 'antiqualquercoisa', o que é uma bobagem", disse Gilmar. O ministro concedeu entrevista ao Estadão/Broadcast em um hotel na capital inglesa, onde participa de um seminário na Universidade de Londres e no qual falou sobre os 30 anos da Constituição brasileira.

"A Lava Jato começou a pensar que era uma entidade, quis legislar, mudar habeas corpus e outras coisas. Depois se viu que eles eram suscetíveis a problemas sérios e que a corrupção estava ali perto, como o caso (do ex-procurador Marcello) Miller", afirmou Gilmar, em referência ao ex-procurador da República que, na semana passada, se tornou réu por supostamente atuar como advogado do Grupo J&F quando ainda integrava o Ministério Público Federal - MPF.

Voce pode ler também

0 comentários