Editora Abril esperou nova lei e demitiu 1200 funcionários

segunda-feira, outubro 01, 2018



O "passaralho" da Editora Abril foi um dos primeiros e principais exemplos de empresas utilizando a reforma trabalhista para prejudicar os trabalhadores, na opinião de juristas ouvidos pelo Brasil de Fato. Na última sexta-feira (28/09), o juiz Eduardo José Matiota, da 61ª Vara do Trabalho de São Paulo, anulou as demissões em massas realizadas pela Editora Abril desde dezembro de 2017.

A decisão, tomada em uma Ação Civil Pública movida pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) e pelo Sindicato dos jornalistas profissionais de SP, pede a reintegração dos demitidos.

Voce pode ler também

0 comentários